terça-feira, 28 de dezembro de 2010

DAIRY QUEEN (Dairy Queen #1)

Photobucket

“’Quando você não fala, há muitas coisas que acabam não sendo ditas.’ Palavras duras, e vindas de Brian Nelson ainda por cima. Mas D.J Schwenk tem que admitir que talvez ele esteja certo. Por que ninguém está falando sobre o motivo pelo qual Amber, sua melhor amiga, já não está tão amigável, (...) Ou por que seus irmãos (...) não telefonam mais. E sobre como o pai de D.J surtaria se ela entrasse no time de futebol.”
DAIRY QUEEN (Dairy Queen #1)
CATHERINE GILBERT MURDOCK
274 páginas (paperback).
Graphia, 2006.
 


Dairy Queen (em português e numa tradução livre, “Rainha dos Laticínios” ou “Rainha do Leite”) é o primeiro livro de uma série de três, composta ainda por The Off Season e Front and Center, respectivamente. Infelizmente, nenhum deles foi publicado no Brasil e, até onde sei, a série ainda não teve seus direitos adquiridos por uma editora nacional. O que, repito, é realmente uma pena.

Já sabia que Dairy Queen havia sido considerado o melhor livro para jovens adultos de 2006, na premiação do respeitadíssimo ALA (America’s Library Association). O que eu não sabia quando este paperback com capa despretensiosa chegou em minhas mãos era que eu estaria lendo um dos livros que entraria para a minha lista de favoritos de todos os tempos.

E isso não é fácil, considerando que eu tendo a criticar inclusive o que gosto. Porém, para Dairy Queen não me sobra nada senão elogios. E eu espero, de verdade, que eu consiga convencê-los a dar uma chance a este livro após a resenha abaixo.


Dê uma chance a Dairy Queen! Vamos lá! Ignore o fato de o título ser Dairy Queen, para começar, e dê uma chance.


A estória de Dairy Queen gira, como o resumo acima deixa claro, ao redor de D.J Schwenk, no verão em que ela completa 16 anos. E nossa protagonista não está nada feliz. Para começar, seu pai machucou o quadril e, com seus irmãos mais velhos na universidade e sua mãe em dois empregos, todo o trabalho da fazenda da família sobra para D.J. E não é pouco trabalho. Com isso, D.J mal tem tempo para estudar e está praticamente reprovada em inglês, além de ter que largar os esportes que praticava no colégio por falta de tempo. Como nada é tão ruim que não possa piorar, o treinador do time rival da escola de D.J e grande amigo de seu pai envia o quarterback do time, Brian Nelson, para ajudar D.J com o trabalho da fazenda durante o verão, de modo que ele ganhe condicionamento físico. Mas D.J odeia Brian, que também odeia D.J. E isso inicia um longo verão para ambos, o qual, para desgosto mútuo, eles terão de passar na companhia um do outro.

Bem, chega de resumo e vamos aos fatos: Dairy Queen é um livro, antes de tudo, sobre aprendizado, amadurecimento e auto-conhecimento; sobre descobrir quem você é quem você gostaria de ser. É leve, divertido e com interações impagáveis entre as personagens. 

Ao mesmo tempo, a autora soube abordar, de modo realista e sem exageros dramáticos, a dificuldade que temos em nos comunicar uns com os outros (e o impacto que isso pode ter, por exemplo, sobre a estrutura de muitas famílias), bem como questões de gênero (ou "como convenções socias retrógradas e machistas tentam dizer às mulheres o que elas deveriam estar fazendo"). Tudo isso no interior de Wisconsin e com muitas vacas no plano de fundo. Muitas mesmo. E esportes!

Claro, há romance (e dos mais legais, sem gente obsessiva e situações medonhas, como ficar observando o objeto de afeição dormir sem que ele saiba). Mas não é esse o foco principal do livro, não é o que você leva dele.

As personagens são realistas e seu desenvolvimento pode ser notado de modo claro e verossímil ao longo das quase 300 páginas do livro. A protagonista, D.J Schwenk é uma garota comum (mesmo, e não no estilo “sou comum, mas todos me amam e me acham linda”), nem exatamente bonita ou inteligente e com dificuldade em se comunicar, mas muito boa em esportes e que sabe trabalhar duro. Por outro lado, Brian Nelson é um garoto rico, mimado e preguiçoso, mas com boas habilidades de comunicação e que, na verdade, precisa de apenas um empurrão para começar a trabalhar duro. E por serem de certo modo o oposto um do outro, as interações entre ambos rendem as melhores cenas do livro.
 
A primeira coisa que percebi ao ler Dairy Queen é que Brian Nelson devia achar que estava em um episódio de The Simple Life.

E vocês SABEM que eu sempre reclamo do núcleo de apoio. Incomoda-me profundamente o modo como alguns autores fazem toda a interação trazida no livro girar em torno dos protagonistas. Não em Dairy Queen. As personagens secundárias são, felizmente, desenvolvidas e construídas em camadas, sem a superficialidade que comumente as acompanha. Especial destaque à família de D.J e ao seu pai, que cozinha brownies e mente para os vizinhos e para o pessoal da igreja que esses foram feitos pela mãe de D.J (que não sabe cozinhar). Aliás, obrigada Catherine Murdock por lembrar que para a maioria absoluta dos adolescentes a família exerce um papel de extrema relevância, algo comumente deixado de lado nos livros para jovens adultos. Afinal, é mais fácil pintar pessoas de 16 anos que vivem sozinhas e agem como um adulto de 24, do que apresentar uma família em todas as suas nuances e pequenos grandes problemas.

Enfim, Dairy Queen é um daqueles livros que você lê numa sentada e termina com um sorriso bobo no rosto. Catherine Murdock escreve maravilhosamente bem e me fez elevar, mais uma vez, meu patamar para os livros do gênero (embora, tecnicamente, YA não seja um gênero, mas enfim). Pretendo encomendar meu exemplar de The Off Season o mais breve possível (quando virar o mês do cartão *cof*) e, tão logo ele chegue, com certeza vai passar na frente dos demais livros da minha pilha de leitura (sim, disciplina zero nos momentos de lazer é o meu lema)!

Breve Nota de Utilidade Pública: Em reunião extraordinária (dado o recesso de final de ano), o Conselho do Reino de Lekatopia aprovou, por unanimidade, minha moção para que Dairy Queen entre no lugar de Umbrella Summer na lista para o desafio literário de férias entre reinos, do qual participamos. Antes que vocês indaguem mentalmente se eu já estou trapaceando tão cedo na competição, a resposta é não, não estou. Mas Umbrella Summer está custando quase U$15 em sua versão hardcover, enquanto que o paperback acabou de entrar em pré-venda por U$5. É, exatamente. O problema é que o lançamento do paperback será apenas em março e até lá o desafio terá acabado...De todo modo, a cópia de Umbrella Summer em papel jornal já foi encomendada e tão logo seja lançada, posto a resenha aqui!

Narrativa: 5/5
Desenvolvimento das personagens: 5/5
Fator X: Metáforas envolvendo vacas. O tempo todo. E, cara, elas são muito divertidas (as metáforas, não as vacas)...E acuradas, diga-se de passagem.
Avaliação Geral: 5/5 (só porque este é o limite)

16 comentários:

Clarisse Cunha disse...

Leka, nem por um segundo eu consegui desgrudar meus olhos da sua resenha. Para tudo, tu escreve super bemm!! Sarcástica, irônica, fofa ao mesmo tempo, simples... uma mistura de muitas coisas.

Uma pena não termos esse livro em português e nem me indico a comprar em paperback pq meu inglês é muito xulo.

Adorei, de verdade!!

XOXO, da Lisse

book disse...

Léka!! Ameeei sua resenha! Esse livro parece ser muito bom mesmo *-* Apesar de você ter dito que o romance não era o foco, eu senti aquela coisinha do tipo "opostos se atraem" ahahah :)
Pena que não foi lançado no Brasil :S Ahh, assim que leres os outros dois faça a resenha também viu?
Beijocas!

Evellyn disse...

Leka,
já disse que amo suas resenhas?
São as mais bem humoradas e persuasivas da blogosfera!
Mesmo com o nome de Dairy Queen eu estou querendo ler esse livro (já pensou se ele chega ao Brasil com nome de Rainha do Leite? ia rirrr mtt.. em ingles até o estranho fica legal Oo).. e se uma pessoa mega exigente como vc deu 5 estrelas o livro deve ser massa! E como assim metaforas com vacas? essa que preciso ler!
Acho que gosto tanto das sua resenhas pq vc escreve de um jeito sarcastic/ironico que eu me identifico demais!

bjsss

Beli disse...

Cara! Adoreiiii o livro! Adoreeei sua resenha, querida!!! Super 10! =)

Ow! fiquei com vontade de ler...

bjuss

Bárbara disse...

Esse livro tá na minha lista faz tempo.
Já tinha lido o primeiro capitulo e sua resenha só me deu mais vontade de ler!!
=]

Uma pena não termos esse livro em português[2].

;*

Clarissa Santos disse...

Leka, tu tem a habilidade fantastica de, com algumas palavras, me convencer de que eu preciso desesperadamente ler um livro que, a primeira vista, não me interessou tanto! Dairy Queen com certeza passaria longe da minha estante, mas depois dessa resenha (totalmente UAU!) eu vou convencer alguma editora a publica-lo! pq, tipo, eu preciso ler DQ. Agora!!!

Kathy disse...

Eu ja tinha lido alguma coisa sobre esse livro e confesso: ele não entrou para a minha lista devido ao título>.<
Depois da sua resenha, acho que vou dar uma segunda chance para ele xD

Beijos,
Kathy
Leitora Compulsiva

Caroline Juliane Bonifácio disse...

Ual o melhor livro para jovens adultos de 2006 então deve ser bom ein !!
Achei este livro bastante interessante, espero que lancem logo no Brasil..
Concordo com a Lisse, vocÊ escreve MUITO bem, adorei a resenhaa..
Beijos
Carol {SobreUmLivro}

Vicky Doretto disse...

Amei a resenha *-* fiquei com vontade de ler... (:
Feliz 2011! Que todos os seus projetos se realizem e tudo de bom!

PS: tmb só irei assistir "Chalet" por causa do Ed... rs

BJus

Alessandra disse...

Adorei a sua resenha! Gosto disso de parecer real, porque, sei lá, gosto de me colocar no papel dos personagens e não rola isso quando são perfeitos demais :P Mesmo porque problemas verdadeiros deixam as histórias mais legais. Vou aproveitar que ainda não ganhei meus livros de Natal (ou já ganhei mas estou fingindo que não...) para pedir esse :D

vanessa disse...

Há, parece ser bem bacana esse livro. Adorei, adorei! Vou dar uma chance pra esse livro e vou comprar quando puder. Adorei a resenha, muito boa mesmo.
Beijos, Vanessa.

Victor disse...

É difícil nao se levar pela traducao ( Rainha do Leite me leva a mente folhetins de prêmio que vem com cada caixa de leite Elegê que a gente compra ), mas a história, nao que diferente de muitas - na verdade, bem no estilo tradicional de romance no campo - com seus "post it's" cativa. Quero ler metáforas com vacas ! Nao consigo pensar nem em umazinha. Agora que vou comprar livro(s) em inglês todo mês, Dairy Queen fica para a lista de Fevereiro ou Marco. The Secret Circle tem que ficar para esse mês - PRECISO - e Holly Black já está para Fevereiro junto com Club Dead ( por conta do preco do livro em português e a necessidade de ler Dead to the world antes de comecar mesmo a ver a 4°temporada de True Blood ). E mais um livro passa a frente e Wake. Acho que a própria Janie vai ter que invadir meus sonhos para eu ler a série huahua.

Beijos,

Victor

Julieta Capuleto disse...

Olá Leka, antes de tudo queria dizer que estou super feliz em conhecer o seu Reino. Achei tudo muito caprichado, parabéns, :D
Sobre o post, confesso que comecei a lê-lo relutante, a capa e o título não me atrairam. Mas o fato de você não ter poupado elogios ao livro me deixou com uma "pulga" trás da orelha, e agora não posso mais declinar dessa leitura. ;D

Beijos
Tá Chovendo Letras
http://tachovendoletras.blogspot.com

Léka disse...

Clarisse: Com exceção dos termos relativos ao trabalho no campo (e há alguns :/), o livro não é muito complicado para ler em inglês ;)

Lú: O romance existe, no worries! E é fofo e me fez ficar com umas caras de "Awwwww" rs. Já encomendei The Off Season, mais um que vai passar na frente de outros da pilha hehe

Evellyn: Por que Dairy Queen funciona como título em inglês e não em português? Boa pergunta =] Talvez porque a gente não associe a palavra dairy com leite de imediato? Essa honra fica para milk (imagina Milk Queen? Oh, the HORROR!).

Clarissa: Sim, VOCÊ PRECISA!!! Reitero! hehe (não, sério, todos precisam, é muito booom =3)

Alessandra: Ah, foi tão bom ler sobre personagens reais, com as quais eu posso me identificar, ao invés de ler mais uma estória com um garoto sobrenatural lindo e...chato?rs Concordo 100% com você!

Victor: Wake é tão rapidinho para ler que você consegue entre um sonho e outro ;)! MAS, passe DQ na frente! Sério :P.

Julieta: Não, não pode! Você está intimada a ler DQ...E não precisa me agradecer quando você amá-lo loucamente ;D #seachando

Muito obrigada pelos comentários fofíssimos de todos! Fiquei muito, muito contente por tê-los levado para o lado negro da força...ou do pasto ;)

DeFatto! disse...

estou lendo essa resenha mega atrasada, mas tudo que posso dizer é que estou doida pra ler esse livro. você falou tão bem dele, pareceu uma história tão diferente - e, sim, estou naquela fase de querer ler tudo em ingles ;x

metáforas com vacas foi tipo WHAT ? mas, bem, já ignorei o fato do titulo ser dairy queen e ele estará nas minhas próximas compras.

beijos, Mel/ Julia haha

Larissa Gaes disse...

Primeiro que rir histeriacamente quando vi o nome do livro *sorry não resisti* rs
Adorei sua resenha, deu muita vontade de ler (principalmente pelas metaforas com vacas, hahaha). Sério, ficou muito boa! Vou tentar encaixa-lo na lista de "Vou comprar" Haja dinheiro!