domingo, 12 de dezembro de 2010

DISCUSSÕES FILOSÓFICAS NIILISTAS (HÁ!) #01 A regra nº 01 das boas adaptações


Primeiro, gostaria de destacar que meu computador acabou de voltar do técnico, com quem passou os últimos dias. E o que deveria ser um momento de profunda emoção para mim transformou-se num pesadelo...Senhores, preciso anunciar que foi instalado o Pacote Office 2007 em meu PC.

 Bastante auto-explicativo.

Eu não merecia isso. Eu fiz CRISMA, pelo amor de Deus. Eu certamente não merecia. Agora meu Word tem muitos botões em forma de bolinha e eu não acho nada, nada que eu precise. Talvez vocês estejam até lendo isso sem formatação. E se eu nunca mais achar o botão “Justificar”? Posso ter que fechar o blog! E qual era o problema do Pacote Office 2003, afinal? Só porque era VELHO? Se fosse uma roupa, seria “vintage”, “old school” ou “retro”. Mas se é um programa de computador ou um celular (ah, desculpa, “smart phone”), é velho. O que aconteceu com apreciar as coisas simples da vida? O que aconteceu com o layout funcional do Word?

Mas não estamos aqui para falar mal do Pacote Office 2007, e sim para iniciar uma série de profundas discussões, as quais abordarão temas como quem somos nós, o sentido da evolução, por que os chás da Starbucks são melhores que os cafés e como pode o McLanche feliz saltar de R$6,00 para quase R$15,00 no espaço de alguns anos.
 Sério, eu poderia ter TODOS os carimbos da Hello Kitty se o preço continuasse o mesmo.

Então vamos lá: essa semana estava passando na TV o primeiro filme de Mortal Kombat que, tosquices a parte, é muito bom (para quem jogava Mortal Kombat, é claro, mas isso é assunto para outro post). Daí parei para pensar nas adaptações cinematográficas de outros games, de HQs e de livros. E a conclusão é: canais infanto-juvenis, não comprem os direitos autorais de qualquer coisa que eu goste. Por que isso sempre, sempre termina em crianças da Disney.

Mas vamos começar do começo (por óbvio). Um filme ruim é muito diferente de uma adaptação ruim. Aquele é só uma película com um potencial nunca atingido e que te deixa meio incomodado por ter perdido tempo assistindo ou gastado dinheiro no ingresso (ainda mais se for o valor de um ingresso IMax 3D). Por outro lado, nas adaptações ruins o buraco é muito mais embaixo: não só aqueles que amaram o livro (nós, NÓS!) saem com a certeza de que foram lesados pelo IMax 3D, como sentimos que a estória e os personagens foram violados. E o pior de tudo é que muitas vezes isto estraga o próprio livro! Ou você vai mentir que após ver a série “True Blood” dá para imaginar as personagens de “As Crônicas de Sookie Stackhouse” de modo diferente (best case scenario)? Ou algum dia você vai conseguir ler “A Última Música” sem imaginar a Hannah Montana como protagonista (worst case scenario)?

Pausa Dramática.

Sim, cada vez que vejo uma adaptação frustrante e saio aborrecidíssima do cinema (ou da frente da TV), me convenço mais e mais que sofri danos morais pela ANIQUILIÇÃO do livro que eu tanto gosto. Isso certamente deveria ser tipificado pelo Código Penal.

E por adaptação ruim eu não me refiro àquelas que não são fiéis aos livros. Acredito que a partir do momento em que os direitos autorais são adquiridos para uma adaptação e não transcrição literal, roteiristas e diretores têm o aval do autor para modificar a estória e seus personagens. Isso é normal e não é um problema em si. O ponto principal é que a essência do livro, aquilo que fez milhões de pessoas amá-lo e relê-lo várias e várias vezes deve ser mantido. E não simplesmente mantido: deve ser incorporado numa produção de qualidade. Mais do que isso, o último filme de Star Trek mostrou que dá para fazer uma boa adaptação tanto para aqueles que já eram fãs quanto para aqueles que pensavam serem os “trekkies” uma espécie de rastreador que substituiria o GPS.

 "Vida longa e próspera às boas adaptações." [Obama, na última convenção democrata]

Confesso, porém, que cada vez que um livro do qual gosto muito tem seus direitos adquiridos, tenho arrepios. A menos, é óbvio, se for o Peter Jackson quem os tenha comprado, porque daí meio que não tem erro. E meu arrepio transforma-se numa grande angústia quando descubro que quem adquiriu tais direitos foi qualquer canal de TV por assinatura voltado a crianças e adolescentes.  Por que em geral, o resultado é esse: o filme seria protagonizado pela Hannah Montana, teria a trilha sonora composta pelos Jonas Brothers e contaria com uma participação especial de qualquer pessoa que fez High School Musical.

Imaginaram?

Concluo, então, que “Não poderá haver crianças da Disney” no elenco e na trilha sonora é a regra número um das boas adaptações. E não, pela última vez: “A Última Música” não é uma boa adaptação!

Estou feliz que deixamos isto claro.


14 comentários:

book disse...

Nossa, hahaha, pude sentir você revoltada enquanto estava lendo! Mas é verdade, dá muita raiva de adaptações mal feitas, esses dias tentei ver o filme Avalon High e tive que parar depois de uns 20 minutos, pq senão eu daria um soco no meu computador de tanta frustração! Tbm odiei a Miley em A Última Música, o Nicholas não podia ter deixado escolherem ela ¬¬'
E apesar de tudo o que tu falou, eu gosto de hish school musical hahahah :)
Ahh, e boa sorte com o novo Word ^^
Beijocas!

Renata G. de Souza disse...

Amei seu texto XD
Totalmente de acordo com você ;D
Detestei o filme a última música =X aniquilaram o filme direitinho =/ super triste -.-
geralmente não ligo muito para isso, mas tem casos que... OMG, é pra matar =S
Eu gosto de Disney =D Mas também admito que tem coisas que não deveriam ser adaptadas por eles =P
Bjus =*

Giovana Joris disse...

Eu, em geral, detesto adaptações porque são, quase sempre, adaptações muito mal feitas. Além de aniquilarem com a profundidade da história, eles completamente destróem a essencia do personagem. Eu não sei como foi o filme de A Ultima Música, porque não lio livro ainda, nem vi o filme, mas como não simpatiza com a Miley Cyrus, para mim já seria ruim o suficiente. A única adaptação que eu achei MUITO boa e quiçá melhor que o livro foi Stardust. O filme é maravilhoso, o livro também, mas perde um pouco em relação ao filme.
Mas é isso! Adorei o post Leka! Adoro o jeito que você escreve. HASIUDH

Beijo!
Gi,
http://ispirazione.org/journal

Victor disse...

kkkk office 2007 rs Minha prima baixou o 2010 e eu fiquei maluco com tanto botao estranho. Simplesmente nao dá para escrever. Ela se rendeu e baixou o BR office, uma versao brasileira, grátis e para leigos do Word. É muito boa e aceita pessoas com dificuldades XD

Sobre as adpatacoes, é verdade. Lendo Diários do Vampiro, é dificil você pensar nos personagens ou como os atores da série ou como os caras da capa. Eles tomam sua mente e fazem uma lavagem cerebral.

Quanto a disney, é um problema sério. Até o contos de fadas eles dao um jeitinho de fazer errado. A Pequena Sereia é dramático, ela morre no final, o livro é perfeito. Já no filme tem polvo gigante, herói super corajoso e heroína que NAO morre ! AHHH, estragou tudo.

Tenho calafrios só de pensar na Disney comprando True Blood, Harry Potter ou qualquer coisa de Anne Rice. Eles iriam transformar num musical teen casto com pessornagens sorridentes e viloes que tem risada do mal #megaFAIL

Adorei suas reflexoes. Devemos mesmo fazer protesto para a disney ficar no canto dela, com High School Musical e olhe lá.

Beijos,

Victor

Vicky Doretto disse...

haha eu to com o office 2010 e quase enlouqueci no começo (agora tenho LEVES brigas com ele...)/O.O\
Sobre as adaptações, tenho que concordar com você. Num geral, a maioria foge completamente do original e acaba por estragar uma estória que era muito boa.
Só quero ver como irá ficar a adaptação de Fallen... >.< acho que irei ter um enfarto... rs ¢.¢
Ah! Boa sorte com o word! daqui a pouco você se acostuma com aqueles botões sem sentido O.o
BJão e boa semana =^.^=

Kathy disse...

Será que eu sou a unica que realmente gosta do Office 2007? >.< Gostei dele logo de cara...achei tão fácil achar os botões!

Em relação as adaptações: Nossa! Concordo completamente com você!! O que tem de adaptação que estraga completamente a obra... Eu gosto de adaptações fieis. A unica que é completamente diferente do livro e eu realmente amei foi O Diário da Princesa. Um dos melhores filmes Disney ( amo a Anne Hathaway)
Mas, realmente, não tem nada pior do que estar ansiosa para ver uma adaptação e quando você finalmente assiste da de cara com a Hanna Montana >.<

Adorei o Post!
Beijos,
Kathy
http://leitora-compulsiva.blogspot.com

Juny K. (Juliana Almeida) disse...

Eu tbm odeio o Office novo, é do demo! Conseguiram bagunçar todas as ferramentas, o tempo que eu perco procurando um comando, q na versão antiga era tão facil de achar...

Eu tenho trauma de atualizações, "Querido John" não mostra 25% da magnitude do livro, deixa a história tão banal, sendo q no livro é incrivel...
To até com medo de ver o filme de "A ultima musica"... to esperando para ler o livro antes [não fazer a burrada q fiz com "querido John"] mas msm assim akela Hannah Montana me assusta...

Dizem que a unica adaptação cinematografica q supera o livro é "O Diario de Bridget Jones", como eu não li o livro, não tenho como comprovar XD

Clarissa Santos disse...

Post MARAVILHOSO, Leka! Concordo absolutamente com tudo que você disse! Acho que o nome adptação, quando se refere a um filme já diz tudo! se o filme fosse uma copia idêntica ao livro, não haveria necessidade de fazê-lo!
Enfim, tenho espasmos só de pensar no tal canal adolescente que você comentou adaptando alguns livros... não faço a menor questão de ver Avalon High da Meg Cabot feito por eles, pq virou um musical. MUSICAL!!!

Beli disse...

Nem me fala em Word 2007... Aff! No começo foi um horror, depois me acostumei.. hj tempo me lidar com um Windows 7 estalado após ida a um tecnico tb... Aff! Deixou meu notebook super lento!

E as adaptações hj em dia fujo de tdas... nada realmente é bom!

bjuss

DeFatto! disse...

adorei seu texto. eu não sei se já comentei aqui, mas eu acho você muito engraçada, seu jeito de escrever. eu consigo imaginar você falando - com outra voz, porque não sei a sua haha
e, bom, concordo em várias partes. lembro do meu amado mc lanche feliz de seis reais, kider ovo de 1 real e tudo desse jeito.
e lembro de boas adaptações. a verdade é que hoje tudo tem que ser vendável, mesmo que acabe com as melhores partes. e dá nisso, criança da Disney se achando Cérebro e querendo dominar o mundo. fazer o que...

a, acostume-se com o office 2007. é bom demais. passei por uma crise , mas hoje amo e defendo ^^
beijos
Mel, Três Lápis & Defatto!

Léka disse...

Galera, muito OBRIGADA pelo apoio em relação ao Pacote Office 2007!! Vocês me encorajaram a LUTAR *determinação* e eu sairei disso uma pessoa melhor...Eu acho.

rs

Lu e Rê: Confesso que não tenho nada contra a Disney (alguém viu "A Princesa e o Sapo"? Cutest thing EVER), mas os filmes Disney Channel (que, invariavelmente, só tem crianças Disney) me fazem sofrer...muito!

Gi: Sim, Stardust para mim é melhor como filme do que como livro, ainda que ache o Gaiman um DIVO! E o motivo de eu ter achado o filme melhor é um só: Robert de Niro. Impagável num papel que nem consta na estória original :/

Victor: Caso não me adapte, vou atrás do BROffice, já que ele não discrimina pessoas menos dotadas para decorar botões! E isso chama-se INCLUSÃO DIGITAL (não é o sentido origial da expressão, mas enfim...). E se a Disney comprasse True Blood, o Sam viraria um cachorro falante fofo, pois sempre há pelo menos um animal falante fofo em qualquer desenho da Disney!
Se bem que, confesso, gosto (muito) das animações 2D da Disney e da Pixar. E dos animais falantes, menos o "Linguado", ele é meio lesado!

Kathy: Você está sozinha nesta...rs
E quanto ao "Diário da Princesa", acho que o primeiro filme é uma ótima adaptação, divertidíssima e despretensiosa. E eu adoro a Anne Hathaway e a Julie Andrews, então sou meio suspeita para falar!

Juny: Não li "Bridget", mas eu acho o filme hilário. E o Colin Firth é sempre muito engraçado fazendo o papel de homens não engraçados :P

Mel: Sempre lutarei contra aqueles que querem dominar o mundo como o Cérebro. Só o Cérebro pode, afinal, dominar o mundo. E eu, é claro. O Cérebro e eu. Mas não se preocupem, distribuirei pastas ministeriais entre os blogs amigos...

Victor disse...

Vá mesmo, BR Office é vida #oremos Sam cachorro fofo falante kkkkkkk E a Sookie iria ser a tapada - versao pobre e humana da Ariel - que iria ser ajudada por ele. Ah, eu tinha uma pelúcia do linguado XD Gosto da xicarazinha de A Bela e a Fera :P Se bem que em reflexoes profundas, todos passam seus lábios por ela - ou ele. Meio tenso. Até para Disney !

PS : Já vi Jump in mais de 3 vezes sem ser obrigado :_(

DeFatto! disse...

Tem selinho pra você no Três Lápis!

http://treslapis.blogspot.com/2010/12/selado-e-taggeado-2.html

Beijos,
Zoe, De Fatto & Três Lápis

Ruthléa Nascimento disse...

Léka, adorei seu post! Realmente é de doer ver nas telonas aquela obra que a gente tanto ama sendo destruída, aniquilada (mandou bem no uso dessa palavra rs).
Quanto ao office 2007, quando o meu 2003 foi trocado para mim foi o fim da picada, mas me acostumei ao novo de tal maneira, que tenho dificuldades hoje ao encarar um 2003.
Parabéns pela postagem, gostei tanto que estou seguindo seu blog.
Abraços!