domingo, 5 de dezembro de 2010

WAKE - Despertar (Trilogia Wake #1)

Photobucket

Para Janie, uma garota de 17 anos, ser sugada para dentro dos sonhos de outras pessoas está se tornando normal. (...) Então, ela vive no limite, amaldiçoada com uma habilidade que não quer e não pode controlar. Mas, de repente, Janie acaba presa dentro de um pesadelo horrível, que lhe causa um imenso terror. Pela primeira vez, ela deixa de ser expectadora e se torna uma participante...”
Wake - Despertar (Trilogia Wake #1)
LISA MCMANN
208 páginas.
Novo Século, 2010.

 
“Wake” foi lançado nos EUA em dezembro de 2008 e é a primeira parte de uma trilogia escrita por Lisa Mcmann e composta por “Fade” e “Gone”, nesta ordem. Todos os títulos que compõe a série já foram lançados nos states e, por aqui, a Editora Novo Século já publicou “Wake” e “Fade”, sendo que “Gone” deve chegar no ano que vem.

Como já deve ser de conhecimento geral, a série trata de sonhos, pesadelos e do subconsciente, temas que não são corriqueiramente encontrados nos livros YA, o que colocou minhas expectativas nas alturas.

Ao longo da narrativa acompanhamos Janie Hannagan, uma estudante do 3º ano do ensino médio com uma mãe alcoólatra, um pai desconhecido e muito pouco dinheiro. Além de tudo, Janie ainda possui um grande segredo: é uma apanhadora de sonhos, o que significa que tem o poder de adentrar os sonhos e pesadelos das pessoas.

 Eu sei que você pensou nisso...

Além de Janie, somos apresentados à Cabel, um esquisitão que sempre pareceu nutrir algum tipo de interesse por Janie e que, entre seu 2º e 3º ano, passa por uma transformação física (eufemismo para “fica gato”) que o inclui entre a galera popular do Fieldridge High. O garoto é bastante reservado e esconde alguns segredos que são revelados ao longo da narrativa, na medida em que ele se aproxima de Janie.

Falando em nossa protagonista, ela é batalhadora e passa muito longe do estereótipo de donzela indefesa. Aliás, a própria Janie soluciona a maior parte de seus problemas e dilemas ao longo do livro, sem esperar que Cabel o faça por ela. Ao mesmo tempo, por vezes sua reação a determinados acontecimentos (em geral envolvendo Cabel) é exagerada e inesperada (de um modo negativo). Por outro lado, Cabel é, para mim, uma personagem meio sem graça. Não é que eu desgoste dele, mas sou tão indiferente que nem definir sua personalidade. de maneira satisfatória eu consigo. Além disso, o romance que se desenvolve entre os dois foi, em algumas passagens, piegas demais. E as personagens secundárias foram muito pouco desenvolvidas, infelizmente.

No campo das críticas, muito foi dito sobre uma aparente falta de revisão do texto, pois as frases são bastante curtas. Concordo que as frases sejam curtas, mas não considero isso um demérito. Pelo contrário, acredito que tal recurso casou perfeitamente com o livro.

Já o ritmo da narrativa me incomodou no início. Na primeira metade do livro pouco acontece e a estória em alguns momentos chega a se arrastar e ficar entediante. Eu realmente cheguei a me perguntar até a página 100 qual era o núcleo da estória. Ok, Janie “entra” nos sonhos e pesadelos alheios e, em dado momento, chega a participar deles pela primeira vez. Sim, era um mistério como ela fazia isso, mas ainda faltava um arco, um conflito que fosse próprio do livro e não da série como um todo. Felizmente, tal arco é apresentado e obtem uma conclusão satisfatória, embora eu acredite que o livro poderia ter tido umas 50 páginas a mais para melhor desenvolvê-lo.

Quanto à arte do livro, foi mantido não apenas o título, mas também a capa idêntica à original. Para ser sincera, a primeira vez que vi a capa de longe achei que a figura do travesseiro era um absorvente higiênico (“mas parece um Always!”). Meu cérebro demorou alguns segundos (e sinapses) para processar do que afinal se tratava e hoje já não a acho tão esquisita. De todo modo, a Editora Novo Século foi bastante competente no trabalho que realizou com o livro, que além de uma textura aplicada na capa que é o máximo, sai por um preço super amigo.

 
No geral, “Wake” é um bom livro. A premissa é genial e eu esperava que o livro também o fosse em todos os aspectos (e não é). Um maior desenvolvimento das personagens e da narrativa certamente lhe valeriam mais pontos, mas ainda assim é o tipo de leitura que você não consegue parar até concluir e cujo final te obriga a correr para comprar “Fade”, o segundo livro da série, o mais rápido possível.

Já havia lido “Wake” há algum tempo, mas como “Fade” faz parte do meu “Desafio Literário de Férias” e será resenhado no começo da próxima semana, achei que seria interessante postar meus comentários sobre o primeiro livro da série. Já posso adiantar, aliás, que achei a sequência muito superior!

Narrativa: 3/5
Desenvolvimento das personagens: 3/5
Fator X: O livro aborda a questão do “white trash” (termo utilizado pejorativamente e de modo preconceituoso para se referir à população caucasiana e de baixa renda com problemas de alcoolismo ou drogas), o que valeu pontos à Lisa Mcmann, pois, novamente, não é um assunto recorrente em livros do gênero.
Avaliação Geral: 3/5

13 comentários:

Juny K. (Juliana Almeida) disse...

Otima resenha, Léka!
Ri MUITO do Always AUHUHAUHAUHUHAHAUH Nunca tinha pensado nisso e o pior q ate parece XD
Eu gosto do Cabel, acho que a participação dele cresce durante a trama, e o romance deles é kawaii ;3
To lendo Fade, acho que até semana q vem tbm vai ter resenha do Dear... ^^

Kathy disse...

ótima resenha!
uma amiga também levou um tempo para reparar que aquilo não era um always xD
Eu quero muito ler essa série, mas tenho um pé atras porque me disseram que é super infantil, aí nem sei o que pensar.
Beijos,
Kathy
http://leitora-compulsiva.blogspot.com

book disse...

Hey Leka! Bah, nunca li Wake... Não me chama a atenção :X Gostei da resenha, apesar de ainda não ter me feito querer desesperadamente o livro :) E meu deusss, eu ri com a parte do Always hahahahahahaah, com as fotos que você botou deu pra ver como eram parecidos!
Beijocas!

DeFatto! disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
DeFatto! disse...

não tenho muita vontade de ler esse livro, não sei porque. Gostei da sua resenha, mas não gosto muito de temas sobrenaturais.

E tem selinho pra você no Três Lápis ^^ passa lá pra ver. beijos
Mel, Defatto! & Três Lápis

Caroline Juliane Bonifácio disse...

Adorei a resenha ..
Este livro teria sido bem melhor se a Janie tivesse narrado #FATO
O que mais me fez ler o livro inteiro (olha que eu li em uma noite)Foi sem duvidas o Cabel ! *-------*.
Não sei, quando terminei o livro eu não queria continuar, mais agora juro que estou louca !! ... [aa]
Beijos
Carol {SobreUmLivro}

Juny K. (Juliana Almeida) disse...

Oieee Leka! Indicamos seu blog para um selo e uma tag, confira aqui http://book-dear.blogspot.com/2010/12/selos-e-brincadeira-da-tag.html

Jessica Asato disse...

Oi Léka!!!
Muito obrigada por comentar no blog!! Vim retribuir a visita!!!
*-*
Nossa, raxei de rir com o boneco do Krueger ali!!!
Hauhauhauhauah, eu tenho pavor desse cara!!!
o.O
Huahauhauh eu gostei de Wake, apesar de já ter lido e visto alguns livros sobre apanhadores de sonhos. Um deles é o "O apanhador de sonho" do grande Stephen King. Apesar de abordar o tema de forma mais sobrenatural possível... é bom!!!
Então pra mim, não foi novidade, sabe?
Hehehehehe

Espero poder ler Fade em breve!!

Muito divertida sua resenha!!!!
\o/

Beijos!
xoxo

Clarissa Santos disse...

Ahhh, eu amo Wake! *-*
To com Fade aqui esperando pra ser lido! Adorei sua resenha e juro que me acabei de rir com suas comparações! A do absorvente always foi a melhor... AHUHUAHUAHUAHUA

book disse...

Lékaa, tem selinho pra você lá no blog ;)
Beijocas!

Rachel Lima disse...

essa imagem do ''always'' falou e disse, hahaha.
estou com o wake aqui na minha casa, a capa é tão tentadora (quer dizer, desde que eu descobri o que realmente é).
beijos :*

Debyh disse...

Gostei da resenha! Mas confesso que quando vi a capa pensei num travesseiro mesmo rs
Acho que o Fator X ajudou eu a gostar mais ainda do livro, foi um diferencial em comparação a outros.
bjs

Evellyn disse...

Ahh Leka!
vc achando que era um Laways e eu nunca entendi que aquilo na capa era uma imagem! rsrs.. é que ultimamente tem essas capas abstratas, que significam mt e nada ao mesmo tempo e eu nem presto atenção!
Eu quero mt começar a ler Fade, mas essa questão da narrativa e das frases curtinhas demais me incomodaram logo no inicio...
Ahh, va mesmo ao cine ver Narnia, o Eustace é uma mala no inicio, mas depois ele se torna o melhor!
Bjss