sábado, 30 de julho de 2011

THE TRUTH ABOUT FOREVER

Photobucket
“Um longo e quente verão. É isso que Macy espera. Seus dias serão gastos em um trabalho chato na livraria, os fins de tarde serão dedicados à aumentar seu vocabulário para os SATs e as noites serão passadas na companhia de sua mãe, ambas em um luto silencioso pela traumática perda do pai de Macy. Mas as vezes coisas inesperadas acontecem. (...) Enquanto Macy se aventura para fora de sua concha, ele começa a se perguntar: é melhor estar segura do que arrependida?”


The Truth About Forever
Sarah Dessen
374 páginas (paperback)




The Truth About Forever foi o primeiro livro de Sarah Dessen que eu li, graças a mais do que ótima campanha da Lisse (Livro...Filme...Música) para divulgar os livros da autora e trazê-los para o Brasil. Aliás, por aqui até o momento saiu apenas Just Listen, pela Editora Farol. Mas é claro que o título original não foi mantido sem adendos (God forbid!), e com isso fomos presenteados com o  incrível subtítulo: “Just Listen – a garota que esconde um segredo”.

Ok, ok, mas muito amor para a Editora Farol por ter sido a pioneira em trazer um livro da autora para o Brasil. Aliás, o próxima livro de Sarah a ser publicado no Brasil será A Caminho do Verão (Along for the ride no original), pela mesma editora. Não tenho muita certeza do por quê The Truth About Forever não ter sido escolhido como o próximo lançamento por aqui, pois os fãs da autora costumam eleger ele e Just Listen como seus melhores trabalhos. Mas a resenha não é sobre isso. Então, seguindo em frente.

Primeiramente, por meio deste confesso: não tinha muita vontade de ler nada da Sarah Dessen até a referida campanha (vide o 1º parágrafo, caso você o tenha pulado). Publicada no Brasil ou não, todo mundo que gosta de livros YA um pouco além do normal já ouviu falar dela. E possivelmente que seus livros seguem uma forma bastante similar: verão + personagem que precisa superar algo + garoto bonitinho com uma personalidade adorável que torna todo o processo mais divertido. E sim, The Truth About Forerever não deixa de ter tudo isso, mas vai além.

Não vou expandir muito o resumo da estória, mas basicamente o livro nos apresenta Macy, uma garota que tenta lidar, do seu modo, com a perda do pai. A vida familiar de Macy está desmoronando, mas a exemplo de sua mãe, ela insiste que tudo está bem. E a obsessão de Macy pelo “estar bem” atinge níveis insuportáveis em todas as esferas de sua vida, pois tentar ser perfeita o tempo todo dá muito trabalho, além de ser o caminho mais certo para a frustração. Sei disso porque vejo Dr. Drew nas horas vagas.


Brincadeira. Eu não vejo Dr. Drew. JURO! 

Em um momento de epifania digno de Clarice Linspector, Macy decide dar o primeiro passo para uma mudança na sua maneira de encarar as coisas. E ela faz isso do modo menos óbvio possível, ao arranjar um trabalho de meio-período em um buffet de festas com integrantes disfuncionais e um ambiente absolutamente caótico. E Macy percebe que era exatamente disso que ela precisava: um pouco menos de ordem, um pouco mais de diversão.

É um livro bastante intimista. Não há grandes eventos (ninguem vai salvar o mundo aqui) e o foco aqui são os relacionamentos de Macy, não só no sentido romântico, felizmente. No fim do dia, trata-se de acompanhar Macy numa jornada de auto-descoberta. E isso não significa que o ritmo do livro é lento...Claro, não vá esperar ação no estilo Jogos Vorazes, mas o ritmo é adequado à proposta da autora e eu devorei o livro em poucos dias, mesmo estando com conjuntivite na época (ou seja, o livro é bom, pois houve todo um esforço extra da minha parte para lê-lo enquanto fazia compressas com algodão e água gelada).

   Magnífico!

De certa forma, a escrita simples e fluída de Dessen sempre tem algo para nos dizer, se pararmos para refletir sobre os diálogos das personagens. Pareceu bem característico da autora deixar que seus leitoras façam terapia por meio do livro. No entanto, isso nunca é feito no modo “lição de moral”, não há respostas prontas aqui.

Em suma, estou satisfeitíssima com o livro e certamente pretendo ler mais coisas de Dessen, formuláticas ou não. Reconheço que o estilo dela não vai agradar todo mundo, mas certamente ela é uma autora de qualidade e vale a pena dar uma chance às suas obras.

E, ok, depois daquele fime "Meu Novo Amor" baseado nos livros da Sarah Dessen, acho que todas as protagonistas da autora vão ter cara de Mandy Moore para mim (mas valeu a pena, porque os extras do DVD trazem uma matéria especial sobre livros YA).
 
Narrativa: 4/5
Desenvolvimento das personagens: 5/5
Fator X: Estórias de verão não significam personagens unidimensionais. #todoscomemora
Avaliação Geral: 5/5

10 comentários:

Kathy disse...

Leka, a review está ótima!
Nunca li nada a Sarah Dessen e até a sua review, nunca tinha me interessado.

Beijos,
Kathy
Leitora Compulsiva

Niii disse...

Lekaaaaaaaaa
dois últimos posts arrasando em!
Kinsella, diva! E outra da minhas autoras preferidas, a Dessen *____*
eu sou apaixonada pelos livros dela! Tem o clichê, mas a forma como ela conduz a história sempre deixa o leitor com a sensação de que 'é diferente mesmo assim', nem sei explicar. Mas vc entendeu né? haha =)

Adorei a review! E eu participei da campanha o/ resenhei 'Someone like you' *_*

bjs

Mônica Bento disse...

Ei Leka,
leio sempre, acho que nunca comentei (só acho mesmo, minha memória é péssima), mas não podia deixar passar um post sobre a Sarah Dessen!
Na verdade, só li o Just Listen (com o subtítulo horrendo), mas acompanho o blog dela há um tempinho (desde qdo vi o 'Meu Novo Amor") e acho ela incrível. O jeito dela escrever é tão particular, tem um tom tão íntimo, parece que você tá mesmo conhecendo a protagonista, né. E o fato do romance não ser a coisa principal (pelo jeito é uma constante nos livros dela mesmo) é um "respiro" danado em relação a muito livro por aí.
Fiquei super feliz qdo vi q a ID vai lançar o Along for the Ride. E que venham outros!

Nathalia disse...

... ok, vou admitir que minha grande memória com a autora foi quando vi Just Listen no site da Cultura, com o nome... Justin Listen. Infelizmente acho que já consertaram, adorava visualizar Justin Bieber (?) :( CAHAM, resumindo, nunca li nada dela...! Do que conheço sempre me passou essa impressão ~morna~, calminha, doce e tal, não ruim mas nunca pareceu leeegalll o bastante pra eu querer comprar, MAS resenha adorável, lerei algo dela! (...de preferência em paperback. viva ao paperback!)

Thaís Cavalcante disse...

Ouvi falar e estava na mesma situação que você, sem nenhum interesse pela Sarah. Sua resenha me acendeu uma vontade enorme de ler um dos livros, que por sinal parecem ser maravilhosos!

Adorei o blog e quero saber todas as novidades! Já estou seguindo. Espero que curta o meu!
http://pronomeinterrogativo.blogspot.com/

danamartins disse...

esse livro foi lançado pela id, na verdade o.õ
e eu não sabia desse filme, vou procurar sobre

Evellyn disse...

Lek,
eu nem sabia disso pq esse seu post só estou lendo anos luz depois.. Mas acabou que quem lançou A Caminho do Verão doi a ID, e nem é do mesmo grupo da Farol...
Mas sim, acho mesmo que a Sarah sabe falar sobre o jovem e nos faz refletir... é mesmo algo meio pare e pense (psicologia com livro YA) Mas ei, achei legal vc falar do How to Be, pq vi o filme e li o 1º livro (pq não entendi bulhufas, eles juntaram 2 livros distintos num mesmo roteiro) e agora vou querer ver os extras do dvd que não tenho!

*volte!

bjbj
Evellyn!

Daniela disse...

Não conheço a autora, embora "A Caminho do Verão" esteja na minha lista de futuras aquisições há um considerável tempinho.

Interessei-me bastante pelos títulos e adorei a dica que deu.

Seu blog está lindo! Cada vez melhor!

Beijos grandes!

Dani / @daride

anaisebarbosa disse...

Atualiza, Léka!!!!!!!!!

Anna Carolina Schermak Alves disse...

Oie, Nunca li nada dessa outora, mas adorei ver sua resenha e conhecer um pouco mais.
Também gostei do seu blog. Não o conhecia ainda ;D
Já estou curtindo para dar uma mãosinha.
Beijo!

www.pausaparaumcafe.com.br